Por Fabrício Rezende, para a Visão Política Brasil

No Twitter a Deputada Sâmia Bomfim do PSOL – SP, apoiada pela militância de seguidores alienados e totalmente desinformados, atacam o atual governo de forma tempestiva e desonesta, com um texto digno de uma mente ” transtornada”, usando do oportunismo para trazer à público uma verborreia inaceitável.

Foto reprodução – Google

Vamos aos fatos verdadeiros sobre as queimadas:

O INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) começou a monitorar e divulgar oficialmente as queimadas no ano de 1999. A preocupação começou no ano de 2003, com 76.315 pontos de queimada. Já no ano de 2017, apresentavam-se nada menos que, 270.479 focos de incêndio, que foi o ano recordista em número de queimadas de toda a série do INPE, onde o mês de setembro foi um dos grandes responsáveis pelo dado histórico. Foram 110.988 pontos registrados, maior número até aquele momento. Em apenas um mês, esse índice representou cerca 40% do total do ano. Em dezembro, foram 6.873 focos em apenas nove dias (a média mensal é 8.836), o que fez surgir um aumento de 44% em comparação com todo o ano de 2016. O mais intrigante, é que não houveram estrondosas repercussões da esquerda, como nos dias atuais. Abaixo podemos visualizar o gráfico do INPE, que acaba definitivamente com o escárnio indecente e manipulador. O pesquisador Alberto Setzer, responsável no INPE por coordenar o monitoramento de queimadas no país, afirmou na época, que a estiagem prolongada em boa parte dos estados e a ausência de fiscalização estão entre as principais causas da propagação do fogo.

Abaixo segue o gráfico:

Não é exclusividade do Brasil

Em 2017, não foi só o Brasil que viveu um ano complicado. Várias queimadas atingiram a Califórnia, nos Estados Unidos, obrigando, inclusive, retiradas em massa. Em Portugal e na Espanha, diversas regiões sofreram com os incêndios florestais, que deixaram ao menos 40 mortos.

Fonte: G1 globo notícias
Créditos – Thiago Reis