Por Fabrício Rezende, para Visão Política Brasil

A trajetória do pai do comunismo, idolatrado como um semi-deus, mas que, antagonicamente, através de biografias recentes, mostram na realidade, um homem falido, emocionalmente e financeiramente. Na bagagem um histórico marital de traição, incluindo um filho bastardo. Junto com a revelação de que ele foi expulso por países, onde morou.

O adúltero
Mary Gabriel, escritora americana, através de biografia, revela a vida íntima e miserável de Marx, de forma profunda. Um homem tido como ídolo por muitos – que viu quatro, dos sete filhos (dentro do casamento) morrerem, quando ainda bebês.

Das três filhas, que sobreviveram, Laura, Eleanor e Jenny Caroline, as duas primeiras cometeram suicídio. Jenny Caroline, morreu de câncer aos 38 anos. No total foram oito, pois, ele teve outro filho, fruto da traição, que será contada abaixo:

Mary afirma em seu livro que, Marx foi literalmente sustentado pela esposa durante quase duas décadas, enquanto escrevia o livro “O Capital”. E mesmo assim, chegou a trair a esposa, Jenny von Westphalen com a empregada, Helene Demuth (amiga íntima de Jenny) que era uma espécie de “faz tudo” – babá e governanta. Desse ocorrido, nasce um menino (Frederick Demuth).
A traição foi descoberta e revelada pela filha Eleanor no ano de 1895. Eleanor descobriu tudo quando tornou-se amiga de seu meio-irmão. Na época da traição, numa ação desesperada, Marx pediu a seu amigo Engels, que era solteiro e rico, que assumisse a paternidade da criança. O filho bastardo, nasceu em 1851 e, graças à intervenção de Engels, o fato ficou ocultado por alguns anos, pois, Engels, para ajudar o amigo, realmente assumiu a criança, pagando uma pensão e, entregando a mesma para uma família de um bairro proletário de Londres. Marx nunca ajudou o menino e também recusou-se a manter contato com ele.
Mary teve acesso a documentos ligados ao filósofo. Incluindo correspondências pessoais, que revelaram Marx como – um beberrão arruinado que sugou amigos e pessoas próximas.

“Claro que Eleanor ficou chocada, mas em nenhum momento teve a intenção de censurar os fatos. Ao contrário, achou importante que o mundo conhecesse os dois lados da vida de seu pai. Até permitiu a publicação de correspondência pessoal de Marx. Mas tudo se perdeu quando ela se suicidou, em 1898”, afirma Mary Gabriel.

Essa situação além de sujar a reputação de Marx, também causou depressão em sua esposa, Jenny, que, ficou super adoecida com o episódio. Mesmo assim, Jenny manteve a relação tóxica e doentia.
Ainda segundo a escritora e biógrafa, a família acreditava que, tudo mudaria para melhor, com a conclusão do livro “O CAPITAL”. Obra na qual ele descreve a origem, o funcionamento e a derrubada definitiva do sistema capitalista.

O economista falido”
Dentre as revelações, uma delas é que, Marx nunca conseguiu manter-se empregado, e teve apenas um emprego fixo no jornal New York Herald. Mesmo assim, o que ganhava não dava sequer, para manter em dia as despesas da família. Ironicamente, era um estudioso de economia, que não tinha a menor habilidade com as próprias finanças.
Certa vez, em Londres, por conta da miséria financeira, Marx foi até uma loja de penhores, em posse de talheres de prata e com o brasão da família de sua esposa. Ao tentar fazer negócio, o dono da loja chamou a polícia, devido a aparência física e as roupas de maltrapilho, com a qual o ídolo dos comunistas se apresentava. Na mesma época, em carta direcionada à seu amigo, Friederich Engels, ele transcreve a enojante frase:
“A única luz no horizonte é a doença de um tio reacionário de Jenny. Se o patife morre, eu saio desse aperto.”

Bancado pelo amigo
Pode-se dizer que, o encontro entre Engels e Marx, foi uma das fusões mais tresloucadas da história. Engels o amigo rico, filho de um industrial capitalista. Marx o idealista de classe média, que sequer, bancava as próprias despesas. Assim sendo, Engels, por inúmeras vezes assumiu os compromissos financeiros de Marx. Ele manteve-se muito próximo de Marx, diante de toda trajetória – como por exemplo, quando Marx foi expulso da França e foi para Bélgica (de onde futuramente também seria expulso).
No mesmo período em que a Europa passava por momentos de revolta dos operários contra os governos Monárquicos, Juntos eles lançaram “O Manifesto do Partido Comunista“, uma obra que falava sobre a revolução da classe operária. Uma frase clássica da época foi: “Proletários de todos os países, uni-vos!”

CRÉDITOS FOTO- Mark Susina ( Flick ) Marx & Engels – BERLIM.

“Esse é o grande problema quando o assunto é Marx. Por causa de seu impacto histórico, a polarização é constante. No Ocidente ele volta é meia é ridicularizado, enquanto Rússia e China ainda o apresentam como uma figura religiosa. O erro é quando deixam passar ao largo do aspecto humano”, afirma Mary Gabriel.

“Ele nem mesmo conseguia ver que condenava as filhas a vidas miseráveis”…
“Creio que ele foi diretamente responsável pelo fim trágico das filhas.” 

___Mary Gabriel

Após 16 anos escrevendo, finalmente Marx tenta a última cartada, lançando ” O CAPITAL”. Mas, ao ser lançado, o livro, foi considerado sem nexo e de difícil compreensão. E isso fez com que o mesmo fosse literalmente ignorado por intelectuais e também pela imprensa. Acabando com todo e qualquer entusiasmo do ídolo falido dos comunistas.
Segundo a biógrafa, Mary Gabriel – Marx, aos 64 anos, além de sofrer com um abscesso no pulmão, também estava – intelectual e cognitivamente debilitado. Morreu como um velho senil e arruinado. Faleceu no dia 14 de março de 1883 e foi enterrado no dia 17, com a presença de no máximo quinze pessoas, ao lado da esposa, que faleceu de câncer em 1881.

undefined

Fotos: AKG-Images/Newscom/Glow Images; Divulgação


A biografia foi elaborada através de uma pesquisa que continha documentos e cartas, que jamais haviam sido reveladas.

Fonte – LIVRO, por – Mary Gabriel, em Amor & Capital ( A saga familiar de Karl Marx e a história de uma revolução)